O que sabemos hoje sobre as expressões faciais na psicopatia?

Facial expressions in psychopathy
Facial expressions in psychopathy

A psicopatia é frequentemente associada a uma série de características comportamentais, cognitivas e afetivas distintas. Os psicopatas, de acordo com a literatura, mostram uma capacidade reduzida para reconhecer emoções em outros, particularmente aquelas que estão ligadas à vulnerabilidade, como medo e tristeza. Este déficit é uma área de pesquisa ativa, uma vez que pode contribuir para a natureza insensível e manipuladora que frequentemente caracteriza os psicopatas.


Aqui está o que a pesquisa sugere sobre as expressões faciais na psicopatia:

Reconhecimento de Emoções: Vários estudos demonstraram que os psicopatas têm dificuldade em reconhecer emoções negativas, como medo e tristeza, nas expressões faciais de outros. No entanto, não é claro se isso se deve a um déficit perceptivo (ou seja, uma incapacidade de perceber certos aspectos da expressão) ou a um déficit cognitivo (ou seja, uma incapacidade de atribuir o significado correto a uma expressão percebida corretamente).

Resposta Emocional Reduzida: A pesquisa sugere que os psicopatas não apenas têm dificuldade em reconhecer emoções nos outros, mas também mostram respostas emocionais atenuadas a estímulos que normalmente evocam emoção. Essa falta de resposta pode ser parcialmente responsável por sua falta de empatia e remorso.

Atenção Seletiva: Alguns estudos sugerem que os psicopatas podem ter uma atenção seletiva para certos estímulos emocionais. Em vez de serem incapazes de reconhecer emoções, eles podem simplesmente não prestar atenção nelas da mesma forma que indivíduos não psicopatas.

Expressões Faciais Próprias: Em relação às expressões faciais que os próprios psicopatas produzem, há evidências mistas. Alguns estudos sugerem que eles são capazes de produzir expressões faciais normais, enquanto outros indicam que suas expressões podem ser menos intensas ou menos congruentes com suas emoções internas. Isso está alinhado com a ideia de que os psicopatas podem ser mais manipuladores e usar expressões faciais para enganar ou manipular os outros.

Conexão Neural: Estudos de neuroimagem mostraram diferenças na maneira como os cérebros dos psicopatas processam informações emocionais. Por exemplo, estruturas cerebrais como a amígdala, que desempenha um papel crucial no processamento das emoções, mostraram-se menos ativas em psicopatas quando expostas a expressões faciais emocionais.

Em resumo, embora os psicopatas possam ter dificuldade em reconhecer e responder a expressões faciais emocionais, eles não são completamente cegos às emoções. A natureza exata dos déficits e suas implicações para o comportamento psicopático ainda são áreas de pesquisa ativa. Além disso, é importante lembrar que a psicopatia é um espectro, e nem todos os indivíduos que pontuam alto em medidas de psicopatia mostrarão todos os déficits ou comportamentos associados.

 

Neuroscience 2023 and Artificial Intelligence

Neuroscience 2023 Artificial Intelligence

Neuroscience Meeting 2023 SBNeC - Summary of selected neuroscientific topics
(generated by ChatGPT):

Homeostasis Perception and Emotion in Panic

Antropologia Amerindia América Latina

Newborn Behavioral Observation

"Muscle matters: from human disease to human performance"

Transgenerational memories of trauma - epigenetic, physiological and mental health factors

Efeito de Realidade Virtual e Gamificação no Aprendizado

Vida moderna, Ritmos Biológicos, Sono, Homeostasia Fisiológica e Processos Cognitivos

Long-term cognitive and emotional impairments associated to hypercholesterolemia

Short- and long-term effects of ethanol on astrocyte functioning

Caffeine effects on brain development

Obesidade do neurodesenvolvimento ao envelhecimento

Repercussões fisiológicas e celulares da exposição aos pesticidas em períodos críticos do desenvolvimento

Distúrbios do Crescimento Celular

Maternal, Infant and Early Childhood Nutrition

Endocrine Disruptors

Cancer as a developmental disease

Scientific Question and Experimental Design

Scientific Research Integrity

Neuroscience of Obesity

Epilepsy Neuroscience and Perception

The Liver-Brain axis

A fisiologia do feminino

Active Learning to Improve Engagement

The molecular basis of Exercise-induced skeletal muscle mitochondrial biogenesis

Neurochemical Underpinnings of Psychedelic-Induced Ego Dissolution

Recent advances in the neuroendocrine control of hydromineral homeostasis

Psychoneuroimmunology Immunoneuroendocrine interactions

Aproveitando a natureza dinâmica da memória para eliminar experiências traumáticas

Acerca da modificação de memórias episódicas

The biological response of ayahuasca

LSD and creativity

Variabilidade da frequência cardíaca como marcador da integração neurovisceral

Inteligência artificial, psicodélicos, e saúde mental

Efeitos do isolamento social e do enriquecimento ambiental na plasticidade do sistema nervoso

Neurociências e Educação: Reflexões sobre o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH)

Cellular and molecular networks underlying psychiatric disorders

NEUROCIÊNCIAS E EDUCAÇÃO: PRÁTICAS BASEADAS EM EVIDÊNCIAS

O que sabemos hoje sobre as expressões faciais na psicopatia?

Aspectos Funcionais e Estruturais da Interação Glia-Neurônio

As bases neurobiológicas da aprendizagem e memória

Buscar formas de otimizar: Efeitos do exercício físico e do exercício cognitivo frente à déficits de memória

O uso de jogos educacionais como estratégia de aprendizagem ativa

Processamento cerebral implícito - a construção de estereótipos

Neuroimagem funcional aplicada ao comportamento humano

O cérebro em tarefas cognitivas e no estado de repouso. Introdução à conectividade funcional

Neurociências e Comportamento Motor

Possível relação entre desenvolvimento motor e o desenvolvimento cognitivo e o desempenho acadêmico do indivíduo

Práticas reprodutíveis em neurociência

* This is a social networking platform where blogs are made by customers and researchers.
* The content published here is the exclusive responsibility of the authors.


Autor: Jackson Cionek